Apesar da rotina do dia-a-dia, sempre exigente e desgastante,  é importante lembrar que é possível alcançar, através de escolhas acertadas, uma vida plena e cheia de saúde. Os excessos que vão sendo cometidos em anos e anos de consumos associados a estilos de vida pouco saudáveis, têm contribuído para o aparecimento de doenças, como o cancro, patologias cardiovasculares, diabetes ou doenças crónicas respiratórias, responsáveis, cada vez mais, por alterações significativas na qualidade de vida e do bem-estar de muitas pessoas.

 

Cuidar da saúde é um direito e uma responsabilidade de cada indivíduo.

 

Medicina Natural procura conhecer as necessidades de cada pessoa tendo como principal pilar de tratamento a reestruturação alimentar e a consciência individual.

Apesar de vivermos num país desenvolvido as carências nutricionais estão presentes na nossa sociedade. O consumo excessivo de alimentos com açúcar, corantes alimentares e a deficiência de absorção de vitaminas e minerais, principalmente pelas crianças, pode estar na origem de problemas graves de saúde e de comportamento (e.g., hiperatividade e défice da atenção).

Por outro lado, o consumo excessivo de alimentos com alto teor de sódio está diretamente relacionado com as doenças cardiovasculares, assim como, a assimetria entre colesterol HDL e LDL.

 

Com o conhecimento aprofundado em fisiopatalogia e nutrição clínica, é possível criar a oportunidade de uma vida mais saudável e o restabelecimento do bem-estar através de uma dieta personalizada e a correta suplementação alimentar.

 

São várias as áreas de atuação da Naturopatia reconhecendo o indivíduo “como um todo” sem dividir o seu corpo por especialidades, tendo em especial interesse o sistema digestivo (intestinal) pois este tem um papel fundamental no equilíbrio do nosso sistema imunitário e na absorção dos nutrientes e das vitaminas.

 

O desequilíbrio do sistema imunitário é responsável pela queda da primeira barreira de proteção contra alterações oportunistas e desreguladoras da flora intestinal, pela mal absorção dos nutrientes e consequentemente a não eliminação de toxinas. As doenças auto-imunes estão fortemente relacionadas com o desequilíbrio do sistema imunitário, nomeadamente uma atividade exacerbada do mesmo, sendo o principal agressor do seu próprio corpo, como por exemplo a psoríase ou a doença celíaca.

Em outros casos um défice do sistema imunitário pode levar a inflamações de repetição que a longo prazo tornam-se impeditivas de uma vida saudável e consequentemente a evolução à lesão crónica, como as infeções urinárias ou amigdalites.

 

Esta tríade (exposição, acumulação e evolução) torna-se a base para o desenvolvimento da doença, sendo de maior urgência o restabelecimento do estado de equilíbrio. A prevenção torna-se assim uma prioridade para o profissional de saúde e para o doente, sendo esta um indicador de sucesso dos cuidados prestados.